A experiência com a escultura teve início na minha vida durante uma viagem à Bélgica em 2006,  onde frequentei aulas com artista Michelle Fèye. Desde então, venho aprimorando minha técnica por meio de cursos e da pesquisa individual. Considero a argila um material privilegiado, pois oferece pouca resistência no seu manuseio e permite um contato íntimo e revelador.  Após estarem prontas, minhas peças costumam ser fundidas em pó de bronze, pó de mármore e pó de ferro.